Isabel Marant Menswear | Primavera/Verão 2018

A demanda pelo menswear cresce cada vez mais, mas será que as marcas conseguem explorar essa oportunidade no ambiente digital?

Por Ana Angélica Mattos

Durante muito tempo, moda masculina andou à sombra do mercado feminino, ocupando sempre o segundo lugar. Nos últimos anos, muita coisa mudou e o interesse e investimentos nos produtos aumentaram bastante. Marcas com foco exclusivo em roupas femininas, como Stella McCartney e Isabel Marant, lançaram mais recentemente coleções para homens. No varejo, a Nordstrom faz seu debut em Nova york com uma flagship masculina – a primeira da loja de departamento.

No final de janeiro, a L2, empresa de inteligência digital, divulgou um novo relatório sobre moda masculina, investigando como as marcas atendem esses clientes no ambiente on-line.

Dentre os resultados da pesquisa, a L2 tem expectativas de que a receita do mercado masculino supere a do feminino, apresentando um crescimento anual de 5% nos próximos dois anos.

À medida que a procura pelo vestuário masculino continua a crescer, é essencial que as marcas que vendem produtos masculinos e femininos coloquem os homens como foco de seus sites e marketing digital.

Abaixo damos algumas dicas de como as marcas podem usar as melhores práticas para atender aos clientes masculinos em seus canais digitais.

Stella McCartney Menswear | Primavera 2017

  • DÊ ATENÇÃO ÀS INFORMAÇÕES DE CLIENTES

Segundo o relatório da L2, apesar de 86% das marcas estudadas pela empresa coletar dados de clientes por gênero, somente 41% realmente utilizam essas informações para adaptar assuntos de e-mails direcionados a um gênero específico, personalizando ainda mais a experiência de compras on-line deste cliente. “Marcas com público do sexo masculino que não conseguem atingir os homens no marketing por e-mail perderão a chance de envolver uma parte substancial de suas listas de e-mail”, de acordo com o relatório. Por exemplo, enquanto 15 das 24 marcas estudadas têm taxas de acesso mais altas para e-mails orientados para homens, apenas 6% das campanhas executadas por essas marcas realmente se concentram no cliente masculino em seu campo de assunto.

  • Deixe o menswear mais visível on-line

Ao mesmo tempo em que o interesse pela moda masculina cresce, sua exposição em e-commerces deve crescer. De acordo com a L2, 1/3 das marcas estudadas que vendem roupas masculinas não apresentam produtos masculinos nas páginas de seus sites, enquanto 19% apresenta conteúdo menswear abaixo da dobra, ou sequer inclui o conteúdo em sua landing page. Em um exemplo prático, a página de produtos mais conhecida de Calvin Klein de 2017 foi a página de roupas íntimas masculinas, mas a marca promove principalmente roupas femininas em sua página inicial.

  • Saiba aproveitar as mídias digitais e os influenciadores

Já é sabido que a maioria dos clientes descobre marcas e produtos em mídias sociais, mas as marcas masculinas ainda estão atrasadas quando se trata de publicar conteúdo ativamente, especificamente no Instagram, onde 24% dos homens americanos, por exemplo, estão ativos. As marcas analisadas pela L2 tiveram 53%publicações a menos, 75% a menos de seguidores e 82% menos interações no total, em média, em comparação com outras marcas. A empresa de inteligência digital destaca a Hugo Boss e a Supreme pelo trabalho que exercem no Instagram. 

Trabalhar com influenciadores também é uma prática em ascensão para marcas masculinas, embora a abordagem seja diferente da moda feminina. Enquanto as marcas femininas estão começando a colaborar com mais e mais microinfluenciadores, a L2 revela que celebridades, principalmente atletas e músicos, ainda têm um impacto maior na promoção da moda masculina.

Pin It on Pinterest