Lojistas falam sobre tendências, compras e como conseguiram driblar a crise no setor de moda brasileiro.

Por Ana Angélica Mattos 

Na última semana, lojistas de todo o país movimentaram os corredores do Salão de Negócios da 22ª edição do Minas Trend, antecipando suas compras para a primavera/verão de 2019. Conhecida como um dos melhores salões de negócios de moda do Brasil, a feira atrai multimarcas de diversos lugares e mostra que a moda mineira segue ocupando seu espaço nas araras das grandes lojas.

Lelete dos Mares Guia, da Mares M&Guia, explica que a variedade de confecções é uma das maiores vantagens do Minas Trend. Para ela, a feira tem ficado cada vez melhor. Fernando Costa, proprietário da Mesckla, multimarcas que fica em Salvador (BA), concorda e revela que as compras que faz no Minas Trend representam de 60% a 70% do estoque de sua loja. Já Aline Borgatto da Vanilla Club, viaja de Sertãozinho, no interior de SP, para Belo Horizonte há 10 anos para comprar no evento. “A feira agrega muito à minha loja. Cerca de 70% dos produtos que vendo são mineiros”, conta.

Sheila e Lelete dos Mares Guia | Foto: Divulgação

Aline Borgatto, proprietária da Vanilla Club | Foto: Ju Foini

Para as sócias Marcia Almeida e Andrea Omeiri, da Bazaar Fashion, os vestidos de festa são o foco de suas compras e o grande diferencial do evento. “Toda nossa coleção de vestidos é composta aqui no Minas Trend. Não encontramos este trabalho handmade em nenhum outro lugar”, diz. As novidades que surgem na feira são o grande atrativo para Thais Morbeck, proprietária da multimarcas Emporium Lolithà, em Goiânia. “Busco realizar uma curadoria do que há de melhor e o Minas Trend é um evento que sempre apresenta novas marcas e novos talentos. Gosto de estar atenta para encontrar o que há de mais diferente”, afirma.

Primavera/Verão 2019

Circulando pelos stands de roupas e acessórios, os lojistas que estiveram no Minas Trend para montar suas coleções de primavera/verão 2019 conseguiram detectar tudo aquilo que promete ser o hit nas araras da temporada de calor do próximo ano. Larissa Dutra, proprietária da La Vetrina, resume: “O Minas Trend é um evento que traz pessoas do Brasil inteiro e reúne as melhores marcas. Aqui conseguimos ver quais as tendências da próxima temporada e transmitir isso aos nossos clientes”.

Larissa Dutra, dona da La Vetrina, faz suas escolhas no Minas Trend | Foto: Ju Foini

O lilás parece ser a aposta de vários lojistas. Marcia Almeida e Andrea Omeiri explicam: “Queremos levar esse fresh para a loja, e o lilás é uma cor que estamos vendo em vários lugares”. Mary Mansur, da A Maison Recife, também aposta no que ela chama de “cores do verão”. “Não acredito na proposta de tons mais escuros”, afirma. Apesar de ela ter gostado muito dos tons de amarelo claro, também vê muita força na tendência do lilás: “É uma inovação e, por isso mesmo, aposto muito nessa cor, principalmente nos tons claros e médios”, completa. Aline Borgatto chega para engrossar o coro a favor do lilás: “Há um tempo venho apostando nessa cor. Estou adorando”.

Para Lelete dos Mares Guia, a consumidora brasileira procura roupas que unem conforto e beleza. Do que pôde observar na feira, os tecidos rústicos, linho, fios naturais, crochê e fluidez prometem fazer sucesso no verão. Fernando Costa concorda: “O linho volta com força total! Acho que o verão 2019 terá um estilo boho chic”.

Mary Mansur é proprietária da A Maison Recife e aposta no Lilás como a cor do verão 2019 | Foto: Raquel Melo

Fernando Costa, conta que cerca de 60% do estoque da Mesckla, sua loja em Salvador (BA) é montado no Minas Trend | Foto: Ju Foini

Driblando a crise

Nem só de tendências vive a indústria da moda. Após um período de instabilidade econômica enfrentada em diversos setores, os profissionais do mercado fashion também tiraram um tempo para refletir sobre os impactos que sofreram e como fizeram para enfrentar o período de incertezas.

Aline Borgatto conta que sempre trabalhou para que sua equipe evitasse o uso da palavra “crise”. “Essa palavra nunca foi pronunciada na minha loja. Continuei trabalhando com as mesmas marcas e trouxe algumas novas para o meu mix, agregando produtos. É claro que temos dias melhores e piores, mas tento impulsionar minha equipe para lutar de todas as formas e com muita honestidade. A palavra crise não existe no meu dicionário.”

Marcia Almeida e Andrea Omeiri perceberam a importância de unir qualidade e bom preço: “Temos que ser artistas para conseguir vender. Buscamos equilibrar peças mais caras com opções mais em conta, mas que ainda sejam desejáveis por nossas clientes”.

Marcia Almeida e Andrea Omeiri, da Bazaar Fashion | Foto: Ju Foini

Temos que ser artistas para conseguir vender. Buscamos equilibrar peças mais caras com opções mais em conta, mas que ainda sejam desejáveis por nossas clientes. –  Marcia Almeida e Andrea Omeiri, da Bazaar Fashion.

Thais Morbeck também identificou o desejo pelo menor custo benefício. Por isso, ela conta que o trabalho tem sido dobrado. “Vamos garimpando em diversas marcas e escolhendo aquilo que acreditamos ser mais acessível”, conta.

Para Fernando Costa, o impacto também foi grande. “As clientes já não compram mais como antigamente. Para contornar isso, fazemos um forte trabalho de marketing, parcerias com blogueiras, digital influencers e artistas locais”, diz. Ele explica que o Instagram tem sido seu forte aliado: “Fazemos publicações de fotos e vídeos com regularidade”.

Thais Morbeck da Emporium Lolithà | Foto: Ju Foini

A mesma coisa aconteceu na La Vetrina, loja de Larissa Dutra. “O impacto foi grande. Clientes que compravam muito reduziram bastante este hábito e passaram a procurar peças mais baratas”, conta. A internet também tem sido uma ferramenta importante. “Eu tenho um e-commerce e vendo por Instagram e Whatsapp. Não estou só na loja física, e por isso consigo atingir pessoas em todo o país e também fora dele. Valorizo muito o contato direto com o cliente, o atendimento personalizado.”

Pin It on Pinterest